Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
21/03/18 às 15h15 - Atualizado em 21/03/18 às 15h15

PRATICANTES DA EQUOTERAPIA DA POLÍCIA MILITAR HOMENAGEIAM STEPHEN HAWKING

COMPARTILHAR

 

Nesta terça-feira, dia 20, os praticantes do Centro de Equoterapia da PMDF, localizado no CPMon, Riacho Fundo I, fizeram uma singela homenagem a um dos mais consagrados cientistas da atualidade, o físico Stephen Hawking, que faleceu aos 76 anos na última quarta-feira, dia 14, na Inglaterra.

Exemplo de vida e superação para milhares de pessoas, em especial as pessoas com deficiência. O cientista tinha esclerose lateral amiotrófica, uma rara doença degenerativa que paralisa os músculos do corpo e gradualmente gera perda de movimento de membros superiores, inferiores e musculatura voluntária.

A doença e as limitações físicas não impediram que Hawking se tornasse um dos cientistas mais conhecidos do mundo, ao abordar temas como a natureza da gravidade e a origem do universo. Mesmo com tantas conquistas e conhecimentos científicos proporcionado à humanidade, um dos maiores legados deixados foi o exemplo de superação às limitações.

Ele foi um exemplo que os praticantes de Equoterapia da Polícia Militar fazem questão de seguir, em auxílio com o amigo cavalo.

Durante a homenagem os praticantes relembraram uma memorável frase proferida por Stephen Hawking:

“Não deve haver limites para o esforço humano. Somos todos diferentes. Por pior do que a vida possa parecer, sempre há algo que podemos fazer em que podemos obter sucesso. Enquanto houver vida, haverá esperança.”

 

HISTÓRICO

O Centro de Equoterapia da PMDF, localizado no Regimento de Polícia Montada – RPMon, Riacho Fundo I, oferece o tratamento gratuito para crianças a partir de dois anos de idade. Também chamada de hipoterapia, é um tipo de terapia com cavalos que serve para estimular o desenvolvimento físico e psicológico.

No ano de 2016, 130 praticantes usufruíam da equoterapia. Segundo a professora que trabalha com os atendidos pelo programa, os 130 atendidos “não são considerados pacientes, porque ao contrário do que acontece nas clínicas em que são passivos no tratamento, na equoterapia respondem continuamente aos estímulos que o cavalo fornece, participando ativamente do processo de reabilitação”.

A equoterapia é importante para o tratamento de indivíduos com deficiências ou necessidades especiais, como síndromes neurológicas (Down, West, Rett, entre outras) disfunção neuronal, paralisia cerebral, derrame, esclerose múltipla, hiperatividade, autismo, crianças muito agitadas ou com dificuldade de concentração, por exemplo. O interessado, para ser beneficiado com o tratamento, necessita de avaliação médica que não contraindique a prática da equoterapia, avaliação com fisioterapeuta e com psicólogo, bem como entrar numa lista de espera, que é fiscalizada pelo Tribunal de Contas do DF. Ao concluir a 1ª etapa, volta ao fim da lista para aguardar a chamada para a 2ª etapa. Cada etapa dura dois anos.

 

Fonte: PMDF